Workshop reúne atores do ecossistema de inovação da Paraíba em Campina Grande

Promovido pelo Sebrae e Fundação Parque Tecnológico, evento apresentou cases de sucesso e discutiu ações voltadas para o universo do empreendedorismo e da inovação

Proporcionar a aquisição de novos conhecimentos e a troca de experiências entre os atores que fazem parte do ecossistema de inovação da Paraíba. Foi com esse objetivo que o Sebrae Paraíba e a Fundação Parque Tecnológico realizaram nesta quarta-feira (18), em Campina Grande, o Workshop Modelo de Gestão Inovador e Empreendedor, que também apresentou cases de sucesso e discutiu a realização de novas ações para fomentar o empreendedorismo e a inovação local.

Realizado na agência regional do Sebrae, o workshop contou com a participação de empreendedores, gestores públicos e representantes de instituições que integram o ecossistema de inovação do estado. Dentre os diversos painéis realizados, um deles foi conduzido pelo analista técnico e coordenador de programas do Sebrae Nacional, Krishna Aum de Faria, que apresentou um relatório sobre o ecossistema de inovação da Paraíba, elaborado pelo Sebrae Nacional em parceria com a Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).

“Esse estudo é o primeiro momento de um trabalho maior que vai ser continuado em 2020 aqui na Paraíba, possivelmente em Campina Grande e nos municípios satélites, justamente para que a gente descubra melhor como organizar esse ecossistema, quais são suas principais características, como está organizada a sua governança, quais são as potencialidades e, sobretudo, como podemos dinamizá-lo”, explicou.

Ainda falando sobre o estudo, Krishna Aum de Faria enfatizou que ele será uma importante iniciativa para organizar e conectar esse ecossistema, contribuindo para a geração de desenvolvimento econômico local na perspectiva da inovação.

“Nesse mapeamento a gente busca trazer quais são as vocações e como está organizado o tecido empresarial da Paraíba, fazendo um cruzamento dessas vocações das empresas com as potencialidades, que são os cursos superiores afetos à área de tecnologia e informação do estado. A partir desse cruzamento, a gente consegue gerar oportunidades e tendências de mercado”, explicou o analista, ao citar como exemplo de potencialidades do estado os setores de engenharia elétrica, agronegócios e tecnologia da informação e comunicação (TIC).

Além da exposição desse estudo, a programação do evento também contou com a apresentação de cases de sucesso da Paraíba na área de inovação. Um deles é o da startup Sinapse Virtual, criada em Campina Grande, que participou do Edital Sebrae de Inovação. De acordo com a administradora do negócio, Fernanda Braga, a empresa trabalha com o desenvolvimento de jogos para crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem, trabalhando habilidades cognitivas, de memória, foco e conteúdo de disciplinas como português e matemática.

“O edital ajudou muito a gente no amadurecimento da empresa, através das consultorias. Além disso, nós também conseguimos por meio do edital fechar convênios com prefeituras e clínicas da Paraíba”, pontuou.

Incubadoras – Ainda no universo da inovação, outro painel realizado durante o workshop desta quarta-feira abordou os resultados obtidos por duas incubadoras de empresas da Paraíba após a implantação de uma metodologia de gestão do Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (CERNE). Desenvolvido pela Anprotec em parceria com o Sebrae, o modelo CERNE consiste em uma plataforma que visa promover a melhoria expressiva dos resultados obtidos por incubadoras de diferentes setores.

Ao apresentar os resultados obtidos pela Incubadora de Agronegócios das Cooperativas, Organizações Comunitárias, Associações e Assentamentos Rurais do Semiárido da Paraíba (IACOC), a coordenadora Mônica Tejo destacou os benefícios trazidos pelo modelo CERNE. “Ele serviu para que a gente conseguisse ter um panorama geral da incubadora em relação aos seus modelos de gestão e de como nós iríamos fazer todas as atividades durante o tempo, planejando e monitorando junto aos incubados. Foi uma metodologia que foi repassada pelo Sebrae que serviu demais para a nossa incubadora”, afirmou.

Avaliação – Ao falar sobre o evento, o diretor técnico do Sebrae Paraíba, Luiz Alberto Amorim, destacou que a inovação é um tema sempre presente na pauta da instituição, que continuará a ser uma prioridade nos próximos anos. “A partir desse evento, nós estamos fazendo uma avaliação do que foi produzido e daquilo que as pessoas conseguiram aproveitar dos recursos disponibilizados pelo Sebrae para esse fim. O termo inovação é algo que está sempre presente em nossa pauta e em 2020 nós vamos, certamente, construir ações maiores e mais potentes”, enfatizou.