Total de 90% de participantes do Programa de Educação Empreendedora pensam em se tornar empreendedor

Percentual estadual supera a média nacional, que registrou 87%, conforme a pesquisa da instituição 

 

A maioria (90%) dos estudantes e professores que participaram do Programa de Educação Empreendedora promovido pelo Sebrae Paraíba em 2020 afirmou que tem a pretensão de se tornar um empreendedor. De acordo com a pesquisa de satisfação PNEE 2020, realizada pelo Sebrae, na Paraíba 69% dos respondentes disseram que pensam na possibilidade de se tornar um empreendedor em um futuro próximo, enquanto 21% enfatizaram que consideram a chance de atuar com o empreendedorismo agora. 

 

Ainda de acordo com os dados do levantamento, apenas 3% dos estudantes e professores ouvidos pela pesquisa disseram que não pensam em empreender, seja agora ou em um futuro próximo, enquanto 7% dos participantes não souberam responder à pergunta. No país, do total de ouvidos pela pesquisa, 87% disseram que pensam na possibilidade de se tornar um empreendedor, sendo que 62% apresentaram a intenção focando em um futuro próximo e 25% agora. 

 

Assim como diversas atividades desenvolvidas pelo Sebrae Paraíba em 2020, o Programa de Educação Empreendedora passou por modificações e precisou se reinventar diante dos desafios impostos pela pandemia da Covid-19. Dessa forma, o que começou com ações presenciais, como preconiza o programa, passou a ser virtual, com a realização de palestras, oficinas e eventos on-line, inclusive com nomes de destaque nacional, a exemplo do filósofo e educador Mário Sérgio Cortella e do jovem empreendedor brasileiro Davi Braga. 

 

De acordo com a gerente da Unidade de Educação Empreendedora do Sebrae Paraíba, Humara Medeiros, os participantes do programa têm acesso a conteúdos que abordam o empreendedorismo não apenas como conceito, mas como uma cultura. “É de fundamental importância que os jovens estudantes tenham contato com esse tema e participem desse processo de mudança da cultura. Quando tratamos o empreendedorismo, levamos o entendimento de que os alunos são os protagonistas de sua própria vida e que não precisam ter um negócio para se sentirem empreendedores. Dessa forma, eles se tornam empreendedores do seu projeto de vida e veem as inúmeras possibilidades de fazer a diferença onde estão inseridos, o que está totalmente alinhado aos novos conceitos e nova visão do Ensino Fundamental e Médio”, destacou.