Crise: Sebrae Paraíba dá dicas para gestão financeira dos pequenos negócios

Período provocado pelo coronavírus exige maior controle do empreendedor sobre as finanças

Diante do atual cenário de recomendações dos principais órgãos de saúde, que orientam a população a permanecerem em suas casas para evitar a disseminação do coronavírus (Covid-19), os pequenos negócios são os primeiros a serem afetados. Dessa forma, o Sebrae Paraíba elenca dicas para enfrentar o período crítico em termos de gestão financeira.

Dentre as complicações para os negócios neste momento, estão redução no movimento de clientes e do faturamento, faltas dos colaboradores, redução na produção, dentre outros. Para a analista técnica do Sebrae Paraíba, Márcia Timótheo, além de ter um excelente controle sobre suas finanças, é fundamental o empresário inovar em seu processo de comercialização para conseguir manter o faturamento.

“O empreendedor deve fazer um levantamento, para os próximos três meses, dos compromissos a pagar e, a partir daí, analisar as alternativas, negociar com os fornecedores, bancos e criar alternativas de vendas. Fazemos um apelo à sociedade: priorize comprar dos pequenos porque você pode contribuir para manter um negócio, uma família”, salientou Márcia Timótheo.

A analista também afirmou que, para minimizar os efeitos da crise, alguns bancos já estão anunciando algumas medidas de apoio aos pequenos negócios. “Instituições como Banco do Brasil, Caixa, Bradesco, Itaú, Unibanco, Santander e o BNB estão prorrogando empréstimos e financiamentos. O BNB para o microcrédito está ampliando o prazo médio das operações e serão ampliadas e antecipadas as renovações das operações a vencer entre abril e junho de 2020”, disse.

Confira as dicas do Sebrae:

1.     Primeiramente, faça um levantamento das despesas previstas para, no mínimo, os próximos dois ou três meses. Se possível, separe esses valores de acordo com o tipo de despesa;

 

2.     Ao conhecer os valores a pagar nos próximos meses fica mais fácil o empreendedor priorizar as ações corretivas, priorizando os tipos de despesa com maior impacto nos negócios e passíveis de negociação. Por exemplo, aluguel e materiais para produção são as despesas que mais impactam no negócio;

 

3.     Com uma possível redução no faturamento, o empreendedor deve então ajustar suas despesas de acordo com essa situação, tomando as seguintes providências:

a.     Negocie com os fornecedores um aumento nos prazos de pagamento dos seus compromissos;

b.    Se tiver dívidas com instituição financeira, procure renegociar visando também aumentar o prazo de pagamento, adequando o valor pago por mês ao seu faturamento;

c.     Evite fazer alguma despesa que não seja extremamente necessária para a continuidade dos negócios;

4.     O empreendedor pode também tomar providências para aumentar o seu faturamento, tais como:

a.     Fazer promoção de produtos que estão há muito tempo em estoque;

b.    Disponibilizar serviços de entrega para manter o nível de compra dos clientes;

c.     Diversificar e ampliar as formas de pagamento;

d.    Implementar uma estratégia de divulgação dos seus produtos por meio do marketing digital: facebook, whatsapp, instagram, etc;

 

5.     Faça a gestão do fluxo de caixa da empresa, considerando as receitas e despesas previstas para não correr o risco de não ter dinheiro para pagar seus compromissos