Caprinocultura estimula empreendedorismo e geração de riquezas em Cabaceiras

Artesanato em couro e produção de leite e derivados contribuem para geração de empregos e favorecem pequenos negócios da região

Aprender a conviver com as dificuldades e buscar alternativas para transformá-las em oportunidade. É essa a visão que predomina em Cabaceiras, cidade localizada no Cariri da Paraíba, considerada uma das regiões com menor índice de chuva do país, que tem superado as condições geográficas e transformado suas dificuldades em oportunidade para os moradores e geração de riquezas para o município.

Dentro desse processo, um dos instrumentos utilizados tem sido o estímulo ao empreendedorismo, especialmente no universo dos pequenos negócios, através da caprinocultura. Principal vocação econômica da região, vem desse segmento duas das experiências empreendedoras mais bem sucedidas do município.

Uma delas é a Cooperativa de Artesãos e Curtidores de Couro de Ribeira de Cabaceiras (Arteza), que segundo estudo realizado em 2015 pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) movimenta cerca de R$ 800 mil por mês, se aproximando do valor repassado pelo Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que é de R$ 900 mil mensais.

Com um começo tímido, que surgiu da ideia de reunir e organizar o trabalho de produtores de couro e artesãos que já viviam no distrito de Ribiera, a Arteza contava apenas com três oficinas fabris, quatro curtumes e 28 sócios. Hoje, mais de duas décadas depois, a cooperativa conta com 12 curtumes, 17 oficinas e 75 sócios, empregando, direta e indiretamente, mais de 300 pessoas.

Para alcançar tais marcas e fazer a diferença na história de Cabaceiras, a Arteza conta, dentre outras instituições, com o apoio do Sebrae Paraíba, que é parceiro da cooperativa desde as suas origens, auxiliando em seu desenvolvimento através de cursos, capacitação de mão de obra e consultorias sobre temas como associativismo, cooperativismo, acabamento e possibilidades de produtos.

Segundo o presidente da Arteza, Márcio Gomes Meira, além de representar uma oportunidade de permanência dos trabalhadores no campo e ser responsável por trazer de volta a Cabaceiras pessoas que haviam partido para outras regiões do país em busca de oportunidade, a cooperativa também estimulou o surgimento de outros pequenos negócios no distrito, como posto de gasolina, supermercado e loja de material de construção.

Atualmente com cada uma das 17 oficinas produzindo cerca de 800 peças por mês, somadas as 12 mil peles de caprinos e ovinos, Márcio conta que os desafios da cooperativa, que vende sandálias, bolsas, carteiras, mochilas, dentre outros produtos para todos os estados do Nordeste, estão relacionados à qualificação de mão de obra, já que a demanda dos produtos aumentou, e à busca por novos mercados, a exemplo do externo.

Outro exemplo bem sucedido, que também vem da caprinocultura, é a Cooperativa dos Capribovinocultores de Cabaceiras e Região (Capribov). Reunindo e gerando renda para cerca de 400 produtores, de 10 municípios paraibanos, a Capribov produz cerca de 3,2 mil litros de leite por dia. Além da venda de parte do produto ao poder público, a cooperativa também passou a fabricar, há cerca de um ano, uma linha de queijos artesanais a base do leite de cabra.

Conforme o presidente da cooperativa, Emerson Farias, a ideia é diversificar a produção e conquistar o segmento privado não só com o queijo, que já é bastante demandado por turistas que visitam Cabaceiras e por pessoas de outras cidades e estados vizinhos, mas também com outros derivados de leite que a cooperativa sonha e planeja produzir no futuro.

“Antigamente trabalhávamos só com a caprinocultura de corte, sem uma renda diária, uma vez que era preciso esperar seis meses para vender um cabrito. Hoje em dia, com a produção de leite e queijos, que é diária, todo dia estamos gerando renda”, explicou Emerson, ao destacar que o Sebrae é um parceiro fundamental da Capribov, auxiliando os cooperados com capacitações e consultorias.

Na última quinta-feira (4), as duas cooperativas foram visitadas pelo superintendente do Sebrae Paraíba, Walter Aguiar, que esteve em Cabaceiras para inaugurar um ponto de atendimento da instituição (PAS) no município. Acompanhado do prefeito Tiago Castro, Walter conheceu o trabalho realizado nestes empreendimentos e ressaltou o potencial de crescimento neles existente.

“A geração de riquezas tem caminhos por onde andar e o Sebrae está aqui só para dar o suporte necessário. Nós não vamos inventar a roda, mas sim continuar com vocês, dialogar com aquilo que vem sendo feito e contribuir para aprimorar e dar competitividade a esses produtos”, afirmou Walter, ao lembrar que a experiência da caprinocultura em Cabaceiras é um case de sucesso nacional do Sebrae, com potencial para crescer e melhorar ainda mais.